Design no âmbito das indústrias criativas

O design no âmbito das indústrias criativas reflecte uma classe, uma economia e empresas criativas. Estas indústrias tratam de criar e distribuir bens e serviços associados ao valor cultural, artístico e de entretenimento. Apresentam uma fusão entre conteúdos criativos, valores económicos e objectivos comerciais, criam também ligações entre secções artesanais, industriais e de serviços. São o ciclo de criação, produção e distribuição de bens e serviços que se baseiam na criatividade e na propriedade intelectual, pois são o centro da economia criativa e formam a classe criativa. O termo Indústrias Culturais surge, então, para expressar a ligação existente entre arte e economia, consequência do desenvolvimento das actividades culturais como importantes fontes de riqueza e trabalho e da necessidade de formulação, desenvolvimento e financiamento por parte das políticas públicas

“A taxa de crescimento média anual das exportações culturais e criativas excedeu os 10% na última década. Daí que as sinergias entre cultura, turismo e indústria estejam entre as recomendações de um documento apresentado esta sexta-feira que foi apadrinhado pelo Ministério da Economia e pela Secretaria de Estado da Cultura” (Vítor Belanciano, hoje no jornal Público).

Penso que, de facto, o futuro das economias europeias, bem como da economia portuguesa, depende decisivamente da respectiva capacidade em colocar a cultura, a criatividade e o conhecimento no centro das atividades económicas. Pois, é de notar que os sectores cultural, criativo e a revolução digital,  são dos mais dinâmicos em Portugal. A economia segue cada vez mais o caminho da diferenciação e da inovação, daí que todas as indústrias e empresas deverão ser criativas e culturalmente activas.

As indústrias criativas possuem vários subsectores, tais como, a arquitectura, o design, os audiovisuais, a música, software educativo, artesanato, a joalharia, artes performativas, edição, TV, rádio e software, antiguidades, design de moda e entretenimento.

Estes subsectores devem agir de uma forma conjunta, influenciando a exportação e dinamismo a nível internacional. A integração de aspectos culturais com aspectos sociais e económicos, juntamente com as tecnologias e a propriedade intelectual e o turismo, esta combinação gera a criação de riquezae e de emprego.

Geração de valores das indústrias criativas

Valor estético: reflecte harmonia, forma e beleza

Valor espiritual: secular ou religioso, a busca de significados para a vida

Valor social: criação de vínculos entre indivíduos, iluminação do carácter da sociedade

Valor histórico: valorizar o passado e dar continuidade ao presente

Valor simbólico: expressão de significados e ligações

Valor de autenticidade: reflecte o único e original

No final da aula foi-nos proposto que elaborássemos um esquema acerca da nossa área, no meu caso design de produto, dentro do âmbito das indústrias criativas, aqui está o  meu.

 

Untitled-2

 

 

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s